As 34 técnicas de análise de negócios do BABOK®

756
Análise de negócios: as 34 técnicas do BABok V3
Análise de negócios: as 34 técnicas do BABok V2 -

34 técnicas de análise de negócios do capítulo 9 da versão 2.0 do Guia BABOK.

Ainda que exista uma enorme discussão nos grupos de análise de negócios sobre técnicas e artefatos desnecessária ou impraticáveis. O guia BABOK V2.0 deve servir como plataforma para toda análise de requisitos de negócio de qualidade.

Análise de Negócios - Versão 2 do guia BABOK
Análise de Negócios – Versão 2 do guia BABOK

Análise de Negócios – Versão 2 do guia BABOK em edição impressa.

O guia BABOK® provavelmente é o livro de cabeceira de todo analista de negócios de alto nível. Nesta nova versão do livro, é apresentada uma lista de técnicas muito bem detalhada. Cada uma possui relação uma ou mais atividades ou fases da análise de negócios.

Cada uma das técnicas documentadas no guia BABOK reporta detalhes e informações importantes sobre a execução eficiente das atividades. Uma atividade pode não ter, uma ou mais técnicas relacionadas. Uma técnica deve envolver pelo menos uma atividade.

Análise de negócios: "As 34 técnicas de análise de negócios documentadas pelo GUIA BABOK"
Análise de negócios: “As 34 técnicas de análise de negócios documentadas pelo GUIA BABOK”

 


BABOK: QUAIS SÃO AS 34 TÉCNICAS DE ANÁLISE DE NEGÓCIOS

Cada uma destas técnicas de entendimento, conceituação e análise de processos e rotinas em um negócio cobrem a maioria das situações que um analista de negócios encontrará na vida cotidiana.


É importante observar quanto a documentação do guia BABOK®:

O Guia BABOK® l informa quando usar as técnicas, mas não fornece exemplos práticos de como usar as técnicas. A maior dificuldade do analista de negócios é aprender como usar corretamente as técnicas. Dificilmente o Analista de Negócios usará todas as técnicas que estão na lista.

O analista de negócios deve identificar quais técnicas são mais comuns e quais produzem o melhor resultado. De acordo com o Guia BABOK®, existem várias técnicas consideradas mais comuns ou mais conhecidas. Pode-se dizer que parte das técnicas do BABOK® Guide é amplamente utilizada.

Essas técnicas são usadas regularmente pela maioria dos analistas de negócios e são usadas ocasionalmente pela maioria dos profissionais.

Muitas ou muitas organizações provavelmente esperam que os analistas de negócios tenham experiência prática com essas técnicas.

  • Definição de critérios de aceitação e avaliação (9.1)
  • Brainstorming (9,3)
  • Análise das regras da empresa (9,4)
  • Dicionário de dados e glossário (9.5)
  • Diagramas de fluxo de dados (9.6)
  • Modelagem de Dados (9,7)
  • Análise de decisões (9.8)
  • Análise do documento (9.9)
  • Entrevistas (9,14)
  • Principais Métricas e Indicadores de Desempenho (9.16)
  • Análise de requisitos não funcionais (9.17)
  • Modelando a organização (9.19)
  • Problemas de localização (9,20)
  • Modelagem de Processos (9.21)
  • Workshop de Requisitos (9.23)
  • Cenários e casos de uso (9.26)
O QUE VOCÊ ACHOU? DEIXE SUA OPINIÃO
Artigo anteriorUma história sobre requisitos de software: O carro esportivo que virou bicicleta!
Próximo artigoAs 5 fases do desenvolvimento de software
Chico Alff é o nome da persona de batalha de Francilvio Roberto Alff. Paranaense apaixonado por São Paulo, possui formação em Engenharia de Software, Análise e Desenvolvimento de Sistemas para Internet, História e Língua italialana e recentemente Engenharia Civil. Frequentou os bancos acadêmicos tanto no Brasil quando na Itália, precisamente na Università degli Studi di Verona. Trabalha com  desenvolvimento de software desde 2010, tendo lançado âncora no mar da Análise de Requisitos, Análise de Negócios e Gerenciamento de Projetos, com experiência em projetos para a administração pública, sistemas de ERP, contábil e fiscal. Atualmente é Gerente de Projetos na Voraz Tecnologia e presta consultoria e análise de projetos ad hoc na Walküre Smart. Da mesma forma como um malabarista, tenta milagrosamente manter o portal AnálisedeRequisotos.com.br como prova de sua paixão pelo mundo da engenharia de software.